VIDEO: Mulher Desaparecida Há Dois Anos é Encontrada à Deriva Por Pescadores

Uma mulher colombiana que estava dada como desaparecida pela família há dois anos foi encontrada a boiar em alto por pescadores, ao largo de uma praia em Puerto Colombia, na Colômbia.

Angélica Gaitán, de 46 anos, foi encontrada por pescadores a cerca de 2,5 quilómetros da praia, na manhã do passado sábado, dia 26 de setembro.

Conforme se pode ver pelas imagens, divulgadas pelos pescadores, a mulher está agarrada a uma bóia que lhe lançaram e é recolhida por ambos, sem conseguir falar. Foi levada para o hospital em estado de choque e com hipotermia, mas recuperou.

A história de Angélica Gaitán envolve alegações de maus-tratos e violência doméstica, que culminaram numa fuga da residência familiar, em 2018.

Em conversa com a RCN Radio, Angélica explicou que foi vítima de agressões durante mais de 20 anos por parte do ex-marido. “Os maus tratos começaram com a primeira gravidez, ele batia-me, abusava violentamente de mim”, disse, explicando que nunca conseguiu sair de casa porque as duas filhas eram muito pequenas e não tinha o apoio da família, por causa do ex-marido. Disse também que a polícia era chamada, mas ele ia preso durante 24 horas, voltava a casa e voltavam as agressões.

Em 2018 foi alvo de uma violenta agressão que motivou a sua fuga. “Andei a deambular pelas ruas durante seis meses e depois procurei ajuda”, disse, revelando que esteve desde então num lar de acolhimento. Na sexta-feira, porém, foi despejada, o que a motivou a lançar-se ao mar. “Não queria continuar viva. Uma senhora ajudou-me com as passagens de autocarro e fui direta ao mar. Queria acabar com tudo, não tinha nada de nada, nem da minha família porque aquele homem tirou-me tudo”, disse.

Do tempo que esteve à deriva, pouco se lembra, mas terão sido quase dez horas. “O senhor que me resgatou do meio do mar disse-me que estava inconsciente, a flutuar. Graças a Deus estava viva, e ele lançou-me uma bóia”, afirmou.

Angélica foi colocada em contacto com a sua família, em Bogotá, e já foram tomadas medidas para que possa voltar para casa. “Voltei a nascer, graças a Deus. Se eu tivesse tido uma oportunidade ou uma ajuda, não teria tomado aquela decisão. Agora estou muito agradecida porque Deus quis que eu tivesse uma nova oportunidade para seguir em frente”, terminou.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO